ERA UMA VEZ...

Autores

Fabrícia Pagnan; Sandrele Botzan;
Silvana Dilma M. Innocente

 

Escola

Centro Educacional Municipal Vice-Prefeito Cecílio Couto Silveira

Resumo

Sempre acreditamos no potencial dessa parceria família e escola. Nesse período de estudo durante a pandemia, não só os professores estão mostrando seu valor, compromisso e engajamento pela aprendizagem das nossas crianças, mas as famílias também vêm realizando com comprometimento e motivação, dando o seu melhor, em um trabalho conjunto. Nunca houve um movimento tão grande e de tanto esforço e compromisso das famílias com a escola em nosso país. E olha que nunca estivemos tão juntos e presentes, famílias e professores, como agora na modalidade de ensino alternado e 100% remoto.

Clique nas imagens para ampliá-las.

Justificativa

Através da leitura o ser humano consegue se transportar para o desconhecido, explorá-lo, decifrar os sentimentos e emoções que o cercam e acrescentar vida ao sabor da existência. Pode, então, vivenciar experiências que propiciem e solidifiquem os conhecimentos significativos de seu processo de aprendizagem. Acreditamos que a prática da leitura leva-nos a uma área totalmente apropriada, chamada de imaginação. Através de nossa imaginação somos estimulados a desenvolver nossa criatividade, a empatia, trabalhar a memória, promover o desenvolvimento do vocabulário, favorecendo a estabilização de formas ortográficas, revelando a importância da escuta atenta, despertar o prazer da leitura,  aguçar o potencial cognitivo do aluno, possibilitar o acesso aos diversos tipos de leitura na escola, buscando efetivar enquanto processo a leitura e a escrita e ainda diminuir o estresse. Sendo assim, a vivência de um projeto de leitura é uma boa indicação para todos os níveis de aprendizagem, principalmente nesse momento que vivemos uma pandemia mundial. Uma das formas de ter contato com sentimentos é através das histórias. Quando escutamos uma história podemos sentir emoções como tristeza, raiva, irritação, medo, alegria, bem-estar, insegurança, espanto e várias outras emoções. As histórias são, com certeza, uma ferramenta que estimula a aprendizagem de forma efetiva. Quando a história é contada, o ouvinte se predispõe a aumentar o seu tempo de atenção e, assim, consegue se concentrar mais nas histórias do que em outras atividades. Mas para isso é muito importante seguir alguns passos que vamos comentar mais à frente! Outra coisa muito importante é saber que ouvir histórias desenvolve muito a capacidade de imaginação. Você já parou para pensar em quantos problemas as crianças de hoje vão ter que resolver no futuro? Pois é, elas terão que ter muita imaginação e curiosidade! O objetivo é fazer com que esse aluno ouvinte amplie a diversidade de gêneros textuais, desenvolva a escuta, a prática da leitura e do desejo de ler, a compreensão da história, que aumente seu repertório de textos de boa qualidade. Com isso, pretendemos incentivar as crianças a lerem mesmo quando ainda não sabem ler convencionalmente, a realizar atividades de leitura que exigem reflexão sobre a escrita, a ilustrar e a recontar histórias, partilhando seu conhecimento na oralidade. Sabemos que o hábito de leitura depende de outros elos no processo de educação. Sem ler, o aluno não sabe pesquisar, resumir, resgatar a ideia principal do texto, analisar, criticar, julgar, posicionar-se. Assim, estimulando a leitura, faremos com que nossos alunos compreendam melhor o que estão aprendendo na escola, e o que acontece no mundo em geral, entregando a eles um horizonte totalmente novo. Trabalhamos as seguintes habilidades descritas na BNCC: (EF15LP09) expressar-se em situação de intercâmbio oral com clareza, preocupando-se em ser compreendido pelo interlocutor e usando a palavra com tom de voz audível, boa articulação e ritmo adequado; (EF15LP10) escutar, com atenção, falas de professores e colegas, formulando perguntas pertinentes ao tema e solicitando esclarecimentos sempre que necessário; (EF12LP01) ler palavras novas com precisão na decodificação, no caso de palavras de uso frequente, ler globalmente, por memorização; (EF15LP03) localizar informações explícitas em textos; (EF01LP01) reconhecer que textos são lidos e escritos da esquerda para a direita e de cima para baixo da página; (EF01LP03) observar escritas convencionais, comparando-as às suas produções escritas, percebendo semelhanças e diferenças.

 

Desenvolvimento

Durante a história, utilizamos entonação de voz atraente, sem exageros, criando suspenses, fazendo caras e bocas diferentes, usando o drama e as emoções. Por exemplo: lendo uma palavra ou frase triste, fazemos cara de triste; lendo uma palavra ou frase alegre, cara de alegre, movimente o corpo, olhos, mãos, braços e a boca. As atividades foram desenvolvidas para atender à necessidade de aprender a oralidade. As crianças levam na sacola literária um livro escolhido por elas e permanecem com esse livro durante a semana que estão em casa no sistema alternado. A família, por sua vez, realiza a leitura em casa para a criança ouvir a história que escolheu. Na semana que ela retorna para a escola, a professora realiza uma conversa com a turma para saber qual criança deseja contar a história que ouviu em casa. Prontamente, alguém levanta sua mão e vamos ouvir a compreensão que ela teve do livro que escolheu e ouviu com a família. É gratificante ouvir a história ser recontada por essa criança e ouvi-la expressar tudo que compreendeu. Cada aluno realiza também a escrita espontânea na ficha de leitura que é levada junto com o livro e faz uma ilustração da parte que mais gostou da história que ouviu. Os resultados alcançados são diversos, mas o principal é o retorno dessa criança em relação à desenvoltura com que consegue se expressar e desenvolver com precisão a habilidade da oralidade, deixando muitas vezes a vergonha e o medo de falar em público de lado.

 

Palavras-chave

Leitura; escola; família.